Conheça a seleção oficial do 5º Festival ECRÃ

Atualizado: 2 de jul. de 2021

English below




Quinta edição do festival traz em formato online e acesso gratuito mais de cem obras de cinco continentes.


Ainda longe de sua tradicional casa, a Cinemateca do MAM, o anual panorama de experimentações audiovisuais das mais variadas abordagens acontecerá novamente no formato online devido a pandemia de Covid-19. O Festival ECRÃ aproveita o sucesso da quarta edição que registrou cerca de 30 mil visitantes únicos e 80 mil streamings e traz novidades para a quinta edição.


Entre elas está a presença de games na programação. Serão cinco jogos disponíveis para o público aproveitar entre uma sessão e outra. Quatro destes jogos são produções brasileiras produzidas entre 2020 e 2021. Durante o evento haverá uma mesa de debate sobre a conservação de game em parceria com a Cinemateca do MAM com a presença de Rafael Zamorano, Thays Pantuza, Rian Rezende com mediação de Ines Aisengart Menezes. Outra novidade é o programa "Novas Películas Espanholas", dedicado aos realizadores Elena Duque, Jorge Suárez-Quiñones Rivas e Valentina Alvarado Matos que produzem filmes em 16mm e Super 8 com curadoria de Gabriel Linhares Falcão.


O veterano diretor americano Ken Jacobs ganha janela especial com dois longas-metragens, incluindo o filme de abertura do evento, o ainda inédito no Brasil “O Céu Socialista” e sua continuação, “O Céu Socialista: Arredores e Outtakes”, realizado em 2019. Ken e Flo Jacobs conversarão com a realizadora Paula Gaitán sobre seus trabalhos no dia 17 de julho às 19h.


Longas, médias e curtas-metragens

Filmes exibidos em grandes festivais também estarão no ECRÃ. É o caso de “Canções Engarrafadas 1-4” de Chloé Galibert-Laîné e Kevin B. Lee, selecionado para o festival de Rotterdam. “Venha Aqui” da tailandesa Anocha Suwichakornpong e “Ste. Anne” de Rhayne Vermette selecionados para o festival de Berlim. “Um Gato Sonha com o Norte” de Diogo Oliveira, selecionado para o FID Marseille; “Liminal” de Phillipe Grandrieux, Lav Diaz, Manuela de La Borde e Óscar Henriquez; e “Icemeltland Park” de Liliana Colombo, selecionado para o festival de Locarno estão na programação.


Mestres do cinema experimental como o austríaco Michael Pilz, os norte-americanos James Benning e Khalik Allah e o argentino Raúl Perrone também estão na lista de longas-metragens do ECRÃ com “Com Amor”, selecionado para Rotterdam, “De Bakersfield Para Mojave” em estreia mundial, “Eu Ando Sobre a Água”, selecionado para o CPH: DOX e “S4D3” em estreia mundial, respectivamente. O videoartista israelense Guli Silberstein com “Imagem da Percepção” junto com Nicolas Klotz e Elisabeth Perceval, diretores de “Saxifraga, quatro noites brancas”, selecionado para o Cinéma du Réel, completam a lista.

Entre os longas e médias-metragens nacionais, seis são estreias mundiais. “Desaprender a Dormir” de Gustavo Vinagre, “Você nos queima” de Caetano Gotardo, “Centro” de Peter Azen, “A Última Imagem” de Benedito Ferreira, “Natalis” de Raquel Monteiro e “Sombra” de João Pedro Faro. A lista inclui também “Benjamin Zambraia e o Autopanóptico” de Felipe Cataldo, selecionado para o festival de Brasília e o média “Apyãwa (Tapirapé) Iraxao Rarywa”, projeto coletivo de Paula Grazielle Viana dos Reis, Luis Oliveira, Koria Tapirapé e Vandimar Marques Damas. O ECRÃ abre as portas para novos realizadores estrangeiros em longas como é o caso da realizadora trans Frances Arpaia com “52 Filmes Curtos” e a mexicana Mariana Dianela Torres com “Mudando de Sonhos”.


Na seleção de curtas-metragens, experimentos e texturas voltam aos holofotes, em filmes selecionados para grandes festivais, de realizadores consagrados e novatos que marcam esta edição. O ECRÃ promove a sessão “Dois pássaros por Kevin Jerome Everson”, realizador americano com os curtas “Condor” e “Abutre Negro”, cuja estreia mundial será nesta quinta edição. Da seleção de Rotterdam estão “80.000 Anos” de Christelle Lhereux e “A Menina do Capim-Limão” da tailandesa Pom Bumservicha e o vencedor do Tiger Short de 2020, “Um Sol do Cão”, de Dorian Jespers. Alex Cox, diretor dos cults “Repo Man – A Onda Punk” e “Sid & Nancy” volta ao radar com o singelo “Restos e memórias de Filmagem”, sobre seu processo de filmagem caseiro; a cineasta lituana Migle Krizinauskaute também parte do retrato de intimidade em “As Guardiãs da Memória”. O canadense Rob Feulner traz seu “TV a Cabo” e o realizador japonês Takashi Makino também marca presença trazendo “Fase Dupla”, um de seus novos experimentos de contato com o etéreo desconhecido da matéria.


No outro lado do desconhecido, o festival também traz os pesadelos abstratos filmados, em “Mestres da Terra”, de Jan Locus, e “Azul Profundo”, de Sebastian Wiedemann. Na investigação tecnológica à distância dos filmes de viagem, as cineastas Bárbara Bergamaschi e Victoria Marechal trazem duas visões intimistas em “A Casa é a Viagem” e “Fronteiras II”. O obcecado estudo por repetições e padrões na natureza aparece em “Mil e uma tentativas de se tornar um oceano”, de Wang Yuhan e em “Senhor Jean-Claude”, de Guillaume Vallée, que esgarça um golpe de Van Damme para investigar o que o eterniza - como em “Amostra de Corpos”, de Astrid de la Chapelle, sobre essas formas extracorpóreas dos ídolos. A ficção-científica especulativa também aparece com “O Fim do Sofrimento”, da grega Jacqueline Lentzou, que procura em Marte soluções para a Terra.


Também integram a seleção cineastas conhecidos das edições anteriores; Fábio Andrade volta com “Construção de uma Vista”, Charlotte Clermont retorna aos objetos em super 8 com “Lucina Annulata", Joshua Troxler expande o pavor filmado do cotidiano na cidade em “Arsonista”, Vinicius Romero traz suas texturas digitais agora em um curta, “Bai gosti/eros afogado em lágrimas”, e Leonardo Pirondi anima um sonho contado por James Benning em “O Sonho de Benning”.

Entre os brasileiros, a percepção abstrata das ausências de representação racial vem em “Ser Feliz no Vão”, de Lucas Rossi, e “Descompostura”, de Alinne Torres. O arquivo aparece como ferramenta de investigação política também em “Vai!”, de Bruno Christofoletti. O fantasma da cidade ocupada por opressores corre pelas cenas de “A Memória Sitiada da Noite”, de Ewerton Belico, o cyberpunk “Usina-Desejo contra a Indústria do Medo”, do coletivo Anarca Filmes, e a ficção-científica volta a marcar presença em “Febre 40°” uma celebração ballardiana do sexo e da máquina dirigida por Natália Reis, e “Abissal”, a imersão de Luisa Marques e Darks Miranda em um futuro não requisitado.


Performances

A seleção de performances esse ano conta com artistas cuja inventividade se propõe a borrar ainda mais as fronteiras entre conceitos de “presença” e “proximidade”. Os oito trabalhos selecionados para esta edição modificam ideias de experiência e preenchem espaços antes considerados inférteis para modelos performáticos. Obras como “Transformando Tela em Tela”, de Crystal Duarte, e “Desenhos De Deriva Para Escritas Visuais”, de Gabriel Machado, utilizam-se do espaço virtual para experimentar um ponto de encontro entre as artes visuais e a performance. Neles, não há diferença entre a tela do dispositivo e a de pano. Outros trabalhos como “A Vantagem de Ver e Não Ser Visto”, de Lee Campbell, e “Pode Ser Que o Ventilador Não Seja Trocado, Você Só Não Sabe o Futuro”, de Dina Kelberman, convertem plataformas como o Zoom e o Teams em palcos onde a cortina nunca cai. Artifícios antes usados para o prosseguimento da escravidão neoliberal de produtividade se tornam espaços de potência criadora na mão de nossos artistas. Infinitas são as possibilidades. As performances desta edição provam que a exploração do corpo, do espaço e da tela não cessa com a distância física e provam que a pandemia é mais um ambiente desafiador do que um cenário de infertilidade.


Artes interativas

O 5° Festival ECRÃ desliza definições entre as suas diversas categorias. Os filmes e performances são acompanhados de remixes, vídeos em 360° e outras obras participativas que compõem a categoria de instalações e artes interativas. Uma seleção de nove trabalhos que exploram a imagem em movimento e sua relação de dependência com o público. “Cine Metrô” (Eduardo Calvet Correa), “Convergência MKL” (Joergen Geerds & Uli Futschik e participação dos músicos Marlene Rosenberg, Lewis Nash e Kenny Barron) e “Morangos com Creme” (Isabella Lazzari Rebellato) existem, cada um à sua maneira, no ambiente virtual de 360, seja com espaços contemplativos, criação de composições ou outra realidade. O duplo filme de Jefferson Cabral “Nem Natal, Nem Parnamirim” pode nos transportar para uma exposição, assim como “As Quatro Histórias de Alice” da artista Myriam Jacob-Allard, por terem ambos mais de um arquivo de vídeo. Uma nova cara no ECRÃ é a holandesa Maria Korporal, que traduziu para o Português especialmente para o festival a versão online e interativa de “Tree Travelling”.


Games

Os games expandem a edição do festival esse ano, abrindo um novo espaço para a exploração narrativa no festival. Obras como “Bagata” de Heron P. Nogueira, que estuda o caminhar através de um território sem limites. “A Cartomante” de Victor Corrêa investiga o potencial do simbolismo das imagens, ao levar o público a interagir e acompanhar as previsões sobre estranhos personagens. Em “Coisas que Perdemos no Fogo”, Thays Pantuza & Zumbido Audiovisual, mexem com o tempo e o espaço, ao cruzarem as fronteiras entre a memória, o imaginário e o patrimônio do audiovisual. Em “O Observatório” de Laura Iancu, as lembranças e aquilo que invade o pensamento são a base para uma experiência narrativa da nossa relação com as coisas que nos cercam. Por fim, "Space Dog” de Pablo Pablo, mescla música e arte visual para criar um ambiente livre e aberto para exploração de sentidos numa viagem sem fim.


Videoartes

O evento traz mais de trinta videoartes para o ambiente online, categoria na qual o festival ainda não teve a possibilidade de explorar em um ambiente físico. Vídeos de quarentena como os nacionais “Além Cá", de Vitória Severo e “Cool for the summer”, de Vitória Liz, que trabalham diferentes approaches às imagens do dia a dia ficam lado a lado aos elétricos “Eh 01 Qualquer Coisa”, de Alanis Machado e “Quem é Você?”, de Greg Penn. De volta ao ECRÃ, Hüseyin Mert Erverdi, Emma Penaz Eisner e Paulo Accioly exploram a imagem estática que ganha movimento nos curtas “Batalha”, “Covis” e “Erêkauã”, respectivamente. Outros destaques são as aplicações de maquiagem de longa duração em “Por trás das Câmeras” de Juniper Foam; a vídeo-performance muda de Maya Skye Henderson, “Chorar”; os assets de jogos eletrônicos usados por Tina Willgren em sua obra “Divagações”; a ressignificação de imagens criadas por Suzannah Mirghani em “Haverá Dragões”, uma produção Sudão/Qatar; e “Tremendo Creme“ que traz de volta à tona a criação feita em conjunto com a inteligência artificial, de Alexei Dmitriev, que retorna depois de sua participação na segunda edição do evento.


Atividades paralelas

O ECRÃ promoverá debates durante todo o evento com realizadores através de suas redes, além de uma mesa de debate sobre a edição para o cinema experimental promovida pela EDT. Para a programação completa acesse o site: www.festivalecra.com.br


Apoiadores e campanha

O Festival ECRÃ não possui patrocinadores e seu acesso é gratuito. O evento é produzido pela 5D Magic e Assuna Produções de maneira independente e sem recursos. O ECRÃ tem apoio institucional da Cinemateca do MAM-RJ, ECÚ Film Festival, JL Ribas e pelo departamento de Artes & Design da PUC-Rio. Para custear o festival, o ECRÃ criou uma campanha no site Benfeitoria que o público poderá ajudar o evento com valores e ganhar recompensas estipuladas pelo evento. https://www.festivalecra.com/contribua

Seleção Oficial


FILMES DE LONGA E MÉDIA-METRAGEM

1. 52 FILMES CURTOS (52 Short Films) | Frances Arpaia | Estados Unidos, 2021 | 93 min.

2. APYÃWA (TAPIRAPÉ) IRAXAO RARYWA | Paula Grazielle Viana dos Reis, Luis Oliveira, Koria Tapirapé, Vandimar Marques Damas | Brasil, 2020 | 44 min.

3. BENJAMIN ZAMBRAIA E O AUTOPANÓPTICO | Felipe Cataldo | Brasil, 2020 | 72 min.

4. CANÇÕES ENGARRAFADAS 1-4 (Bottled Songs 1-4) | Chloé Galibert Lainé, Kevin B. Lee |Alemanha, França, Estados Unidos, 2020 | 76 min.

5. CENTRO | Peter Azen | Brasil, 2021 | 70 min.

6. O CÉU SOCIALISTA (The Sky Socialist) | Ken Jacobs | Estados Unidos, 1968 | 96 min.

7. O CÉU SOCIALISTA: ARREDORES E OUTTAKES (The Sky Socialist: The Environs And Outtakes) | Ken Jacobs | Estados Unidos, 2019 | 49 min.

8. COM AMOR: VOLUME 1 1987-1996 (With Love: Volume 1 1987-1996) | Michael Pilz | Áustria, 2020 | 101min.

9. DE BAKERSFIELD PARA MOJAVE (From Bakersfield to Mojave) | James Benning | Estados Unidos, 2020 | 109min.

10. DESAPRENDER A DORMIR | Gustavo Vinagre | Brasil, 2021 | 95min.

11. EDIÇÃO VÍDEOS DIGITAIS COM ADOBE PREMIÈRE-PRO: GUIA DO MUNDO REAL PARA CONFIGURAÇÕES E FLUXO DE TRABALHO (그녀를지우는 시간) | Hong Seong-Yoon | Coréia do Sul, 2020 | 40min.

12. EU ANDO SOBRE A ÁGUA (IWOW: I Walk on Water) | Khalik Allah | Estados Unidos, 2020 | 199min.

13. ICEMELTLAND PARK (idem) | Liliana Colombo | Itália, 2020 | 40min.

14. IMAGEM DA PERCEPÇÃO (Image of Perception) | Guli Silberstein | Reino Unido, 2021 | 64min.

15. LIMINAL (idem) | Philipe Grandrieux, Lav Diaz, Manuela de Laborde, Óscar Henriquez | México, França, Filipinas, 2020 | 65min.

16. MUDANDO DE SONHOS (Mudar de Sueños) | Mariana Dianela Torres | México, 2020 | 40min.

17. NATALIS | Raquel Monteiro | Brasil, 2021 | 49min.

18. S4D3 | Raúl Perrone | Argentina, 2021 | 46min.

19. SAXIFRAGA, QUATRO NOITES BRANCAS (Saxifrages, quatre nuits blanches) | Nicolas Klotz, Elisabeth Perceval | França, 2021 | 77 min.

20. SOMBRA | João Pedro Faro | Brasil, 202 | 70min.

21. STE. ANNE | Rhayne Vermette | Canadá, 2021 | 82min.

22. TODA LUZ QUE PODEMOS VER (Toda la Luz que Podemos Ver) | Pablo Escoto | México, 2020 | 129min.

23. A ÚLTIMA IMAGEM | Benedito Ferreira | Brasil, França, 2020 | 71 min.

24. UM GATO SONHA COM O NORTE (Un Chat Revê du Nord) | Diogo Oliveira | França, 2020 | 70min.

25. VENHA AQUI (Jai Jumlong) | Anocha Suwichakornpong | Tailândia, 2021 | 69min.

26. VOCÊ NOS QUEIMA | Caetano Gotardo | Brasil, 2021 | 76min.


FILMES DE CURTA-METRAGEM

1. 80.000 ANOS (80.000 Ans) | Christelle Lheureux | França, 2020 | 26min.

2. ABUTRE NEGRO (Black Vulture) | Kevin Jerome Everson | Estados Unidos, 2021 | 3 min.

3. AMOSTRA DE CORPOS (Corps Samples) | Astrid de La Chapelle | França, 2020 | 8 min.

4. ARSONISTA (Arsonist) | Joshua Troxler | Estados Unidos, 2021 | 11 min.

5. BAI GOSTI / EROS AFOGADO EM LÁGRIMAS | Vinicius Romero | Brasil, 2021 | 9 min.

6. A CASA É A VIAGEM | Bárbara Bergamaschi | Brasil, 2020 | 15min.

7. CONDOR | Kevin Jerome Everson | Estados Unidos, 2019 | 8 min.

8. CONSTRUÇÃO DE UMA VISTA | Fábio Andrade |Brasil, 2021 | 11 min.

9. DEEP BLUE | Sebastian Wiedemann | Colômbia, 2020 | 8 min.

10. DESCOMPOSTURA | Alline Torres | Brasil, 2021 | 8 min.

11. FASE DUPLA (Double Phase) | Takashi Makino | Japão, 2020 | 25 min.

12. FEBRE 40º | Natália Reis | Brasil, 2021 | 6min.

13. O FIM DO SOFRIMENTO (The End of Suffering) | Jacqueline Lentzou | Grécia, 2021 | 14 min.

14. FRONTEIRAS II (Fronteras II) | Victoria Maréchal | Argentina, 2020 | 18 min.

15. AS GUARDIÃS DE MEMÓRIAS (Prisiminim nešjai) | Migl Križinauskait-Bernotien | Lituânia, 2021 | 14 min.

16. LUCINA ANNULATA | Charlotte Clermont | Canadá, 2021 | 4 min.

17. A MEMÓRIA SITIADA DA NOITE | Ewerton Belico | Brasil, 2021 | 25min.

18. A MENINA DO CAPIM-LIMÃO (Lemongrass Girl) | Pom Bumservicha | Tailândia, 2020 | 17 min.

19. OS MESTRES DA TERRA (Masters of the Land) | Jan Locus | Bélgica, 2020 | 14 min.

20. MIL E UMA TENTATIVAS DE SE TORNAR UM OCEANO (One Thousand and one attempts to become an ocean) | Wang Yuhan | França, China, 2020 | 11 min.

21. RESTOS E MEMÓRIAS DE FILMAGEM (Film-Related Scrap and Wood Projects) | Alex Cox | Estados Unidos, 2021 | 7 min.

22. SENHOR JEAN-CLAUDE (Monsieur Jean-Claude) | Guillaume Vallée | Canadá, 2021 | 7 min.

23. SER FELIZ NO VÃO | Lucas H. Rossi dos Santos | Brasil, 2020 | 11 min.

24. O SONHO DE BENNING (Benning’s Dream) | Leonardo Pirond | Estados Unidos, Brasil, 2021 | 2 min.

25. TE VEJO EM MEUS SONHOS (See you in my dreams) | Shun Ikezoe | Japão, 2020 | 18 min.

26. TV A CABO (OU UMA NOITE NA VIDA) (Cable Box) | Rob Feulner | Canadá, 2020 | 17 min.

27. UM SOL DO CÃO (Sundog) | Dorian Jespers | Bélgica, 2020 | 23 min.

28. USINA DESEJO CONTRA A INDÚSTRIA DO MEDO | Clarissa Ribeiro, Lorran Dias, Amanda Seraphico | Brasil, 2020 | 25 min.

29. VAI! | Bruno Christofoletti Barrenha | Brasil, 2020 | 20min.

30. VITRINES | Coletivo Olhares | Brasil, 2021 | 10 min.

31. ZONA ABISSAL | Darks Miranda, Luísa Marques | Brasil, 2020 | 14 min.


GAMES

1. BAGATA | Heron P. Nogueira | Brasil, 2020.

2. CARTOMANTE | Victor Corrêa | Brasil, 2020.

3. COISAS QUE PERDEMOS NO FOGO | Thays Pantuza, Zumbido Audiovisual | Brasil, 2021.

4. ESPERANDO GODOT: UMA SIMULAÇÃO (Waiting For Godot: A Simulator) | Nick Murray | Reino Unido, 2020

5. O OBSERVATÓRIO (The Observatory) | Laura Iancu | Estados Unidos, 2021.

6. SPACEDOG | Pablo Pablo | Brasil, 2021.


INSTALAÇÃO E ARTES INTERATIVAS

1. CINE METRO (Cine Metro - Experiência Imersiva) | Eduardo Calvet Correa | Brasil, 2021 | 9 min.

2. CONVERGÊNCIA MLK (MLK Convergence) | Joergen Geerds, Uli Futschik | Estados Unidos, 2021 | 11 min.

3. HAPΠ: (AR)REMIX (HAPπ : (Ar)remix) | Wilson Oliveira Filho, Fernando C. da Silva, RM Santos | Brasil, 2021 | 7 min.

4. MORANGOS COM CREME (Strawberries and cream) | Isabella Lazzari Rebellato | Reino Unido, 2021 | 3 min.

5. NEM NATAL, NEM PARNAMIRIM | Jefferson Cabral | Brasil, 2021 | 2 de 30 min.

6. PRÓXIMO/A (Prossimo) | Emanuelle Dainotti | Bélgica, 2020 | 5 min.

7. AS QUATRO HISTÓRIAS DE ALICE (Les quatres récits d'Alice) | Myriam Jacob-Allard | Canadá, 2020

8. SRA. VERTIGEM (Ms. Vertigo) | Rona Suffer | Israel, 2019 | 15 min.

9. TREE TRAVELING | Maria Korporal | Alemanha, 2020 |


PERFORMANCES

1. CORAÇÕES REMOTOS | Antônio Ventura | Brasil, 2021 | 5 min.

2. DELAÇÃO NÃO PREMIADA | Fernanda Vizeu | Brasil, 2021 | 25 min.

3. DESENHOS DE DERIVA PARA ESCRITAS VISUAIS (Drift Drawings for Visual Texts) | Gabriel Machado | Brasil, 2021 | 40 min.

4. EM TROCA (Exchanging) | Hiroshi Atobe | Japão, 2020 | 4 min.

5. PODE SER QUE O VENTILADOR NÃO SEJA TROCADO, VOCÊ NÃO CONHECE O FUTURO (The fan may not be replaced you just don’t know the future) | Dina Kelberman | Estados Unidos, 2021 | 40 min.

6. TRANSFORMANDO TELA EM TELA | Crystal Duarte | Brasil, 2020 | 4 min.

7. A VANTAGEM DE VER E NÃO SER VISTO (Clever at Seeing without being seen) | Lee Campbell | Reino Unido, 2019 | 17 min.

8. VÉRNIX | Renata de Lélis | Brasil, 2021 | 6 min.


VIDEOARTES

1. ALÉM CÁ | Vitória Sever | Brasil, 2020 | 3 min.

2. ÁRVORE DE FAIA (Beech Tree) | John Woodman | Reino Unido, 2020 | 26 min.

3. ASTRO GÊMEO | Chana de Moura | Brasil, Portugal, 2020 | 13 min.

4. BATALHA (Savaş) | Hüseyin Mert Erverdi | Turquia, 2020 | 4 min.

5. C3_2 (C3-2) | Shanthal Caba Mojica | Estados Unidos, República Dominicana, 2019 | 6 min.

6. CHORAR (Crying) | Maya Skye Anderson | Estados Unidos, 2021 | 3 min.

7. COOL FOR THE SUMMER | Vitória Liz | Brasil, 2021 | 6 min.

8. COVIS (Liars) | Emma Penaz Eisner | Estados Unidos, 2020 | 2 min.

9. CURUPIRA, BICHO DO MATO | Félix Blume | Brasil, França, 2019 | 35 min.

10. DIVAGAÇÕES (Ramblings) | Tina Wilgren | Suécia, 2020 | 5 min.

11. EH 01 QUALQUER COISA | Alanis Machado | Brasil, 2021 | 14 min.

12. ERÊKAUÃ | Paulo Accioly | Brasil, 2021 | 1 min.

13. O GRANDE SONO PROFUNDO (The Big (Deep) Sleep) | Johannes De Young | Estados Unidos, 2020 | 6 min.

14. AS GRANDES DISTÂNCIAS | Matheus Zenom | Brasil, 2020 | 7 min.

15. HAVERÁ DRAGÕES (There Be Dragons) | Suzannah Mirghani | Sudão, Quatar, 2019 | 4 min.

16. INVASÃO | Hannah Maia | Brasil, 2021 | 3 min.

17. INVENTANDO SENSAÇÕES | Dora Falcão | Brasil, 2019 | 2 min.

18. LÉSBICA ENRUSTIDA | Bia Lee | Brasil, 2020 | 7 min.

19. LUMENS | Muriel Paraboni | Brasil, 2020 | 5 min.

20. MASMORRA (Dungeon) | Jéremy Griffaud | França, 2021 | 8 min.

21. NATUREZA.PRADO.LONGA DURAÇÃO (Nature.Meadow.Long Shot | Yannick Mosimann | Suíça, 2020 | 3 min.

22. O OUTRO LADO DO CENÁRIO (Scenery other end) |Tseng Yu Chin | Taiwan, 2019 | 10 min.

23. PEQUENA SINFONIA DO SOL | Débora Cancio | Brasil, 2020 | 5 min.

24. PLEUMA | Francisco Álvarez Rios | Equador, 2021 | 8 min.

25. POR TRÁS DAS CÂMERAS (Behind the Scenes) | Juniper Foam | Alemanha, 2020 | 65 min.

26. PROPAGAÇÃO E DETECÇÃO (Propagation and Detection) | Enzo Cillo | Itália, 2020 | 8 min.

27. QUEM É VOCÊ? (Who are you?) | Greg Penn | Austrália | Reino Unido, 2020 | 6 min.

28. SEM TÍTULO #2: VERONICA VALENTTINO | Pryscilla Bettim, Renato Coelho | Brasil, 2021 | 3 min.

29. (SEMPRE) AO MEU LADO ((Always) Next to Me) | Emma Piper-Burket | Estados Unidos | 4 min.

30. TAMBOR VERTICAL N’ÁGUA (Upright Dream in the water) | Pieter Geenen, Bélgica, 2020 | 19 min.

31. TODOS OS PRECIOSOS JPEGS DELA (EM AMARELO) (All her JPEGS (on yellow)) | Matt Whitman | Estados Unidos, 2019 | 3 min.

32. TREMENDO CREME (Tremendous Cream) | Alexei Dmitriev | Rússia, 2020 | 4 min.

33. UM CAVALO OLHOU PARA O CÉU COM ESPERANÇA DE FUGA | Alcimar Verissimo | Brasil, 2021 | 25 min.

34. VOAR DE SI | Ani Cires | Brasil, 2020 | 4 min.


PROGRAMA NOVAS PELÍCULAS ESPANHOLAS

1. COLEÇÃO PRIVADA (Colección Privada) | Elena Duque | Espanha, 2020 | 13 min.

2. DOZE FILMES SAZONAIS (Twelve Seasonal Films) | Jorge Suárez Quiñones-Rivas | Espanha, 2020 | 39 min.

3. O MAR PENTEOU A COSTA (El Mar Peinó a la Orilla) | Valentina Alvarado Matos | Espanha, 2019 | 5 min.

4. MEIHÔDÔ | Jorge Suárez Quiñones-Rivas |Espanha, 2020 | 11min.

5. PROPRIEDADES DE UMA ESFERA PARALELA (Propiedades de una Esfera Paralela) | Valentina Alvarado Matos | Espanha, 2020 | 17min.

6. VALDEDIÓS (Valdediós) | Elena Duque | Espanha, 2019 | 4 min.





ENGLISH


The fifth edition of the festival brings in an online format and free access to more than one hundred works from five continents.


Still far from its traditional home, the MAM's Cinemateca, the annual panorama of audiovisual experimentations of the most varied approaches will take place again online due to the Covid-19 pandemic. ECRÃ Festival builds on the success of the fourth edition, which registered about 30 thousand unique visitors and 80 thousand streamings, and brings news for the fifth edition.


Among them is the presence of games in the program. There will be five games available for the public to enjoy between sessions. Four of these games are Brazilian productions produced between 2020 and 2021. During the event there will be a debate about game conservation in partnership with MAM's Cinematheque with the presence of Rafael Zamorano, Thays Pantuza, Rian Rezende with mediation of Ines Aisengart Menezes. Another novelty is the program "New Spanish Films", dedicated to filmmakers Elena Duque, Jorge Suárez-Quiñones Rivas, and Valentina Alvarado Matos, who produce films in 16mm and Super 8, curated by Gabriel Linhares Falcão.



The veteran American director Ken Jacobs gets a special window with two feature films, including the opening film of the event, the still unreleased in Brazil "The Socialist Sky" and its sequel, "The Socialist Sky: Surroundings and Outtakes," made in 2019. Ken and Flo Jacobs will talk with director Paula Gaitán about their work on July 17 at 7pm.


Feature, medium and short films

Films screened at major festivals will also be at ECRÃ. This is the case of "Bottled Songs 1-4" by Chloé Galibert-Laîné and Kevin B. Lee, selected for the Rotterdam festival. "Come Here" by Thailand's Anocha Suwichakornpong and "Ste. Anne" by Rhayne Vermette selected for the Berlin festival. "A Cat Dreams of the North" by Diogo Oliveira, selected for the FID Marseille; "Liminal" by Phillipe Grandrieux, Lav Diaz, Manuela de La Borde and Óscar Henriquez; and "Icemeltland Park" by Liliana Colombo, selected for the Locarno festival are on the program.


Masters of experimental cinema such as Austrian Michael Pilz, Americans James Benning and Khalik Allah, and Argentine Raúl Perrone are also on the ECRÃ's feature film list with "With Love", selected for Rotterdam, "From Bakersfield To Mojave" in its world premiere, "I Walk On Water", selected for CPH: DOX, and "S4D3" in its world premiere, respectively. Israeli video artist Guli Silberstein with "Image of Perception" along with Nicolas Klotz and Elisabeth Perceval, directors of "Saxifrages, Four White Nights", selected for the Cinéma du Réel, complete the list.


Among the national feature and medium-length films, six are world premieres. "Unlearn to Sleep" by Gustavo Vinagre, "You Burn Us" by Caetano Gotardo, "Center" by Peter Azen, "A Última Imagem" by Benedito Ferreira, "Natalis" by Raquel Monteiro, and "Sombra" by João Pedro Faro. The list also includes "Benjamin Zambraia and the Autopanoptic" by Felipe Cataldo, selected for the Brasília festival, and the medium-length film "Apyãwa (Tapirapé) Iraxao Rarywa", a collective project by Paula Grazielle Viana dos Reis, Luis Oliveira, Koria Tapirapé, and Vandimar Marques Damas. ECRÃ opens the doors to new foreign directors in feature films as is the case of trans director Frances Arpaia with "52 Short Films" and Mexican Mariana Dianela Torres with "Moving Dreams".


In the selection of short films, experiments and textures return to the spotlight, in films selected for major festivals, from established and new directors that mark this edition. ECRÃ promotes the session "Two birds by Kevin Jerome Everson", American director with the short films "Condor" and "Black Vulture", whose world premiere will be in this fifth edition. From the Rotterdam selection are "80,000 Years" by Christelle Lhereux and "Lemongrass Girl" by Thailand's Pom Bumservicha and the 2020 Tiger Short winner "Sun Dog" by Dorian Jespers. Alex Cox, director of the cults "Repo Man - The Punk Wave" and "Sid & Nancy" is back on the radar with the unassuming "Film Related Scrapwood Projects," about his home filmmaking process; Lithuanian filmmaker Migle Krizinauskaute also departs from the portrait of intimacy in "The Keepers of Memory." Canadian Rob Feulner brings his "Cable TV" and Japanese director Takashi Makino is also present, bringing "Double Phase", one of his new experiments in contacting the ethereal unknown of matter.


On the other side of the unknown, the festival also brings the filmed abstract nightmares, in "Masters of the Earth" by Jan Locus and "Deep Blue" by Sebastian Wiedemann. In the technological investigation of distance travel films, filmmakers Barbara Bergamaschi and Victoria Marechal bring two intimate visions in "Home is the Journey" and "Frontiers II." The obsessed study for repetitions and patterns in nature appears in Wang Yuhan's "A Thousand and One Attempts to Become an Ocean" and Guillaume Vallée's "Mister Jean-Claude," which squirms a Van Damme hit to investigate what eternalizes him - as in Astrid de la Chapelle's "Sample of Bodies," about those extracorporeal forms of idols. Speculative science-fiction also appears with "The End of Suffering", by the Greek Jacqueline Lentzou, who looks for solutions for the Earth on Mars.


The selection also includes filmmakers known from previous editions; Fábio Andrade returns with "Construction of a View", Charlotte Clermont returns to objects in super-8 with "Lucina Annulata", Joshua Troxler expands the filmed dread of everyday life in the city in "Arsonist", Vinicius Romero brings his digital textures now in a short film, "Bai gosti/eros drowned in tears", and Leonardo Pirondi animates a dream told by James Benning in "Benning's Dream".


Among Brazilians, the abstract perception of the absences of racial representation comes in "Ser Feliz no Vão" by Lucas Rossi and "Descompostura" by Alinne Torres. The archive appears as a tool of political investigation also in "Vai!", by Bruno Christofoletti. The phantom of the city occupied by oppressors runs through the scenes of "A Memória Sitiada da Noite" (The Besieged Memory of the Night), by Ewerton Belico, the cyberpunk "Usina-Desejo contra a Indústria do Medo" (Desire-Power Plant against the Industry of Fear), by the collective Anarca Filmes, and the science-fiction is again present in "Febre 40°", a Ballardian celebration of sex and the machine, directed by Natália Reis, and "Abissal", the immersion of Luisa Marques and Darks Miranda in an unrequited future.


Performances

The selection of performances this year includes artists whose inventiveness intends to blur even more the boundaries between concepts of "presence" and "proximity". The eight works selected for this edition modify ideas of experience and fill spaces previously considered infertile for performative models. Works such as "Transformando Tela em Tela" by Crystal Duarte and "Desenhos De Deriva Para Escritas Visuais" by Gabriel Machado use virtual space to experiment a meeting point between visual arts and performance. In them, there is no difference between the device screen and the cloth screen. Other works like Lee Campbell's "Clever at Seeing without being seen" and Dina Kelberman's "The Fan May Not Be Changed, You Just Don't Know the Future" turn platforms like Zoom and Teams into stages where the curtain never falls. Artifices once used for the furtherance of neoliberal productivity slavery become spaces of creative potency in the hand of our artists. The possibilities are endless. The performances in this edition prove that the exploration of body, space and canvas does not cease with physical distance, and prove that pandemic is more a challenging environment than a scenario of infertility.


Interactive arts

The 5th ECRÃ Festival slides definitions between its various categories. Films and performances are accompanied by remixes, 360° videos and other participatory works that make up the category of installations and interactive arts. A selection of nine works that explore the moving image and its dependent relationship with the audience. "Cine Metrô" (Eduardo Calvet Correa), "Convergência MKL" (Joergen Geerds & Uli Futschik and participation of musicians Marlene Rosenberg, Lewis Nash and Kenny Barron) and "Morangos com Creme" (Isabella Lazzari Rebellato) exist, each in its own way, in the 360° virtual environment, be it with contemplative spaces, creation of compositions or other reality. Jefferson Cabral's dual film "Nem Natal, Nem Parnamirim" can transport us to an exhibition, as can artist Myriam Jacob-Allard's "Alice's Four Stories" because they both have more than one video file. A new face at ECRÃ is the Dutch Maria Korporal, who translated into Portuguese especially for the festival the online and interactive version of "Tree Travelling".


Games expand this year's edition of the festival, opening a new space for narrative exploration at the festival. Works like "Bagata" by Heron P. Nogueira, which studies walking through a boundless territory. "A Cartomante" by Victor Corrêa investigates the potential of the symbolism of images, by leading the audience to interact and follow the predictions about strange characters. In "Things We Lost in the Fire", Thays Pantuza & Zumbido Audiovisual, stirs time and space by crossing the boundaries between memory, the imaginary, and audiovisual heritage. In "The Observatory" by Laura Iancu, memories and what invades our thoughts are the basis for a narrative experience of our relationship with the things around us. Finally, "Space Dog" by Pablo Pablo, merges music and visual art to create a free and open environment for exploration of senses on an endless journey.


Videoart

The event brings more than thirty video artworks to the online environment, a category in which the festival has not yet had the possibility to explore in a physical environment. Quarantine videos such as the national ones "Além Cá", by Vitória Severo and "Cool for the summer", by Vitória Liz, which work on different approaches to everyday images stand side by side with the electric ones "Eh 01 Qualquer Coisa", by Alanis Machado and "Quem é Você?", by Greg Penn. Back to ECRÃ, Hüseyin Mert Erverdi, Emma Penaz Eisner and Paulo Accioly explore the static image that gains movement in the short films "Batalha", "Covis", and "Erêkauã", respectively. Other highlights are the long-lasting makeup applications in "Behind the Camera" by Juniper Foam; the silent video performance by Maya Skye Henderson, "Crying"; the electronic game assets used by Tina Willgren in her work "Divagações"; the re-signification of images created by Suzannah Mirghani in "There Will Be Dragons", a Sudan/Qatar production; and "Tremendous Cream" that brings back the creation made together with artificial intelligence, by Alexei Dmitriev, who returns after his participation in the second edition of the event.


Parallel Activities

ECRÃ will promote debates throughout the event with filmmakers through its networks, as well as a panel discussion on editing for experimental cinema promoted by EDT. For the complete program go to: www.festivalecra.com.br


Supporters and campaign

ECRÃ Festival has no sponsors and access is free. The event is produced by 5D Magic and Assuna Produções independently and without resources. ECRÃ has institutional support from Cinemateca of MAM-RJ, ECÚ Film Festival, JL Ribas and the Arts & Design department of PUC-Rio. To fund the festival, ECRÃ has created a campaign on the Benfeitoria website, where the public can help the event with values and earn rewards stipulated by the event. https://www.festivalecra.com.br/contribua