Teoria de Unificação dos Corpos

Teoria de Unificação dos Corpos

Amanda & Isadora

Brasil

2021

Videoarte

Curta-Metragem

Amanda & Isadora apresentam sua “Teoria de Unificação dos Corpos”, vídeo sem som de 2021. A dupla se utiliza do choque de seus corpos para apresentar uma condição temporal, onde a virtualidade não se caracteriza como algo novo, mas uma banalidade contemporânea. Na era da Pós-Internet, a arte digital não pode mais ser distinguida como estritamente baseada em computador/internet, mas sim, identificada como qualquer tipo de arte que é de alguma forma influenciada por esses organismos virtuais. Ela é o resultado do momento contemporâneo: inerentemente pela onipresença da autoria, o desenvolvimento da atenção como moeda de troca, o colapso do espaço físico na cultura do network e a infinita reprodutibilidade e mutabilidade dos materiais digitais.

Com imagens perdidas e deslocadas de contexto, Amanda & Isadora processualmente evidenciam um impulso de arquivo. Ao selecionar as fotos para Teoria da Unificação dos Corpos, tentam resgatar a memória da internet, se utilizando de pequenos fragmentos desse universo digital. Ao trabalhar essa reconstituição, não como um totalizante de ações, mas com elementos perdidos que evocam aura, as artistas percebem o funcionamento de suas conexões corporais como os deslocamentos de informação virtual.

informações gerais

edição

6° Festival ECRÃ

venues

16-24/07 - ONLINE

duração em min

3

premiere

Estreado em exposição artística para convidados, no Labproa, RJ, Brasil

classificação indicativa

12 anos / Not recommended for children under twelve years old / Não Recomendado Para Menores de Doze Anos

trailer/teaser/trecho

conteúdo

Sexual Content / Conteúdo Sexual, Sensitive Themes / Temas Sensíveis

tags

arte, colorido, sem som

Amanda & Isadora

Amanda & Isadora são uma dupla de artistas cariocas que trabalham juntas desde 2019. Formadas em Artes Visuais pela UFRJ, possuem uma prática que examina as dinâmicas sociais implícitas nos espaços físicos e virtuais em que circulam. Realizam trabalhos em diversos formatos, aplicando práticas de recontextualização de discursos, técnicas e imagens. À medida que exploram processos imagéticos de tradução da realidade, apresentam obras informadas pelos mecanismos de legitimação do circuito de arte contemporânea. Já participaram de algumas exposições coletivas, como a VIII Bienal da EBA no Parque Lage, e acabaram de realizar sua primeira exposição individual “Eu Já Acreditei na Ficção” no espaço LabProa.

mais informações

-