a.o.k

a.o.k

Christopher Tym

Reino Unido

2022

Videoarte

Curta-Metragem

a.o.k é sobre a experiência de fazer vídeos pop e música pop. Usando apenas os bastidores e filmagens B-roll alteradas com animações, é uma pintura da experiência emocional por trás e na frente da câmera. conteúdo como é sobre a criação dele.
O projeto gira em torno de uma série de videoclipes criados para faixas originais, mas os resultados finais não são vistos nem ouvidos; o que fica visível, porém, são as sensações dos colaboradores durante a produção.
É uma jornada que aperta com desconforto no início, mas se abre, suaviza e libera em algo terno e compassivo. O resultado é implacável e implacável, mas é uma ode às imagens amorosas que criamos de nós mesmos.

informações gerais

edição

6° Festival ECRÃ

venues

16-24/07 - ONLINE

duração em min

15

premiere

Première Internacional 6° Festival ECRÃ

classificação indicativa

12 anos / Not recommended for children under twelve years old / Não Recomendado Para Menores de Doze Anos

trailer/teaser/trecho

conteúdo

Nudity / Nudez

tags

arte, documentário-híbrido, vídeo musical

Christopher Tym

Christopher Tym (Reino Unido) é um artista visual baseado em Amsterdã.
A sua prática inclui Cinema, Animação e Instalações Audiovisuais. Temas em seu trabalho exploram a relação entre a câmera e o corpo, enquadramentos não confiáveis ​​e edição afetiva. Ele se formou na Gerrit Rietveld Academie em 2012 e no Royal College of Art UK em 2017. Ele é tutor e ensina Animação na Gerrit Rietveld Academie, Amsterdã.

mais informações

Production Notes & Addition to Synopsis
Pop-culture is more than entertainment, it shapes our reality; it constructs and deconstructs stereotypes, it catalyses real-world violence but also collective transcendence. a.o.k began with some urgent questions: Can this framework be broken and put back together on our terms? What do we lose or gain when we play pretend? a.o.k took a year and half to edit. It was a fluid and sculptural process that required listening not just to the material but also to the moods, sensations and emotions during the making of the film. The film uses high resolution cameras, low resolution iPhone footage shared on whatsapp and is all interwoven with hand drawn and digital animations to convey the sense of the confusion, energy and melancholy the cast and crew were going through as they performed the roles of the pop stars and producers they admired. The result of a.o.k is the space between
pretending and becoming, it is a complex admission of the difficulties we have with the stereotypes of pop culture.