Mūtātiōnem

Mūtātiōnem

Maile Costa Colbert

Portugal

2021

Performance

Curta-Metragem

Quando a pandemia chegou, comecei a escrever novamente a lápis. Senti-me ansioso até poder aceitar um interior fragmentado com uma centena de variações e versões, tudo em processo – processo sobre progresso. Texto, áudio, visual-tanto em movimento quanto parado, compilações, complicações, rumo a combobulações, se é o que vier. Esta é uma cápsula do tempo de fragmentos, refletindo um tempo fragmentado. Esses fragmentos tentam contar a história, encorajar uma sensação do que aconteceu. Pequenos trabalhos, notas, momentos: minha filha aos três anos, luz pontilhada no rosto pela janela, deitada no chão olhando para a tela da câmera voltada para
ela, uma bela imagem que depois me faz pensar em contágio. Uma gravação de voz lembrando um sonho que tive quando estava grávida e tentando aceitar minha culpa ecológica de trazer outra forma de vida consumidora para um mundo de consumo excessivo; um sonho onde eu choco um dragão bebê que eu sabia que era perigoso, mas amado e cuidado mesmo assim. A superlua de 2020 capturada em mais uma noite sem dormir, com um podcast enervante de um epidemiologista célebre no fundo muito tranquilo, minha mão tremendo com a audição, imagem tremendo com minha mão. Imagens da missão Apollo Moon - também me fazendo pensar em
contágio. A música que criei em luto, a partir de um arquivo de pássaros extintos e ameaçados de extinção e paisagem sonora da floresta. Todos juntos, de alguma forma, tentando, e transmitindo, uma sensação de.

informações gerais

edição

6° Festival ECRÃ

venues

16-24/07 - ONLINE

duração em min

10

premiere

Première Latina 6° Festival ECRÃ

classificação indicativa

L / Free for all audiences / Livre Para Todos Os Públicos

trailer/teaser/trecho

conteúdo

-

tags

arte, docuficção, ecologia, ficção científica, found footage, quarentena, sci-fi, som, ecocinema, experimental

Maile Costa Colbert

Maile Costa Colbert é artista intermedia, pesquisadora e educadora com foco em mídia baseada no tempo. Atualmente é bolseira de doutoramento em Estudos Artísticos com ênfase em Estudos do Som, design de som cinematográfico e sua relação com a ecologia da paisagem sonora na Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, e professora visitante no ISMAI. Sua prática atual e projeto de pesquisa é intitulado Wayback Sound Machine: Sound through time, space, and place (http://www.mailecolbert.com/proj-wayback.html), e pergunta o que podemos pode reunir de soar o passado. É colaboradora e Curadora do Arquivo Digital da organização artística Binaural (www.binauralmedia.org), membro do CineLab, laboratório de investigação em cinema e filosofia do IFILNOVA (www.fcsh.unl.pt), e é editora e autora da Campo Sônico (http://sonicfield.org/author/mailecolbert/). Expôs, exibiu e actuou em todo o mundo, incluindo no New York Film Festival, The Ear to Earth Festival for Electronic Music Foundation em NY, LACE Gallery em Los Angeles, MOMA New York, Los Angeles County Museum of Art, Serralves em Festa no Porto, e o REDCAT Theatre em Los Angeles, entre outros espaços. Ela projetou som e compôs para obras como os documentários de longa-metragem Yours in Sisterhood e The Motherhood Archives de Irene Lusztig, o filme de Rebecca Baron How Little We Know of Our Neighbors, vencedor do Black Maria Film Festival Best Film, o documentário de Adele Horne The Tailenders, transmitido pela PBS POV e vencedor do Independent Spirit Award de 2007, The American Sector, de Courntey Stephens e Pacho Velez, e o épico The Lottery of the Sea, de Allan Sekula. Um site com trabalhos até 2014 e links para trabalhos mais recentes pode ser encontrado em: www.mailecolbert.com

mais informações

-