Três perguntas para Mariana Dianela Torres

Atualizado: Jul 20

Realizadora estreia "Mudando de Sonhos" no Festival ECRÃ e conversamos rapidamente sobre o filme.


1) O assunto deslocamento parece muito importante em sua filmografia. Você pode falar um pouco mais sobre isso?


A pergunta me faz pensar em muitas coisas. Eu diria que o deslocamento é algo essencialmente cinematográfico. Não só porque tem a ver com a noção de movimento, mas porque o cinema implica em transferências tanto da posição da câmera quanto de plano para plano, etc. No caso de "Mudando de Sonhos", estava claro que ia explorar em torno do movimento; isto é, refletir sobre o deslocamento tanto no sentido formal quanto no natural. O interesse era mostrar como os pássaros migram com as estações, os peixes se movem de acordo com a disposição dos alimentos, embora haja migrações estabelecidas; Em geral, eu estava interessada na migração de seres vivos. Também queria contrastar o ser humano e a migração como questão ideológica, o "sonho americano" e o discurso dominante dos países colonizadores. Os seres humanos se movem de várias maneiras. Tudo está em constante movimento. Em "Mudando de Sonhos", o movimento é pensado tanto quanto um movimento humano específico de casa em casa, até a migração dos animais. Por outro lado, a natureza e a água se movem continuamente. Nada permanece estático. É também a história da minha avó que, ao morrer, muda e vira tartaruga. Com a música tudo muda e o filme passa a ser do ponto de vista daquela tartaruga. O filme também se move em termos de linguagens. As pinturas da minha amiga a artista visual Leonora Serra foram relacionadas sincronicamente, por outro lado, os poemas de John Gibler inspiraram certas imagens. Todos os materiais foram ligados com o intuito de explorar em um movimento contínuo, não como adaptações, mas como algo diferente que também ocasionou uma certa transferência de formas e estímulos. A ideia essencial deste projeto era fazer um filme musical em relação às remoções. O músico Edgar Mondragón fez toda a musicalização e sound design de forma livre, então as melodias e imagens também foram mutantes. Com isso em mente, a música é o personagem principal.


2) Em "Mudando de Sonhos", esse tema ganha força a partir da fusão de imagens e um mundo possível sem fronteiras, principalmente entre o México e os Estados Unidos. Como esse mundo externo influenciou a produção e a edição do filme?


Considero relevante o que você menciona sobre fronteiras. As relações humanas às vezes são interrompidas precisamente por distâncias políticas e físicas; porque essas fronteiras, barreiras e muros fazem parte de um sistema predatório. Os países que agora estão acumulando vacinas são os mesmos que estão fechando suas fronteiras e, por sua vez, querem vender um discurso sobre sonhos de primeiro mundo. Em contraste, na natureza, os pássaros vagam livremente livremente. Rios e mares sempre fluem em correntes diferentes. Quando eu estava produzindo "Dream Moving", antes da pandemia, muitas pessoas próximas a mim se mudaram, algumas por decisão e outras por necessidade. É um filme que tem muitos dos materiais que filmei, registros de diversas viagens que fiz durante 2013 a 2019 e também pensei em como a imagem mudou com as câmeras. Muito do trabalho de montagem foi feito a partir de relações de imagens e associações de experiências. À maneira dos jornais de diferentes pontos de vista, a relação com os Estados Unidos aparecia sozinha, de alguma forma era inevitável, devido às experiências de familiares e amigos. Como estava na última etapa da edição, recebi o convite para ir para o Colorado onde pude gravar os materiais que combinavam com a ideia toda. No processo, relacionei com a viagem que minha amiga Natalia Tovar gravou com uma câmera antiga em NY. Da mesma forma, pessoas próximas a mim me enviaram vídeos de suas transferências no celular.


3) Este ano temos mais diretores do México como Pablo Escoto, Manuela de La Borde e Oscar Henriquez. Parece-me um cenário de forte experimentação audiovisual no México. Como obras desse porte chegam ao público?


No México existem muitos e muitos cineastas que exploram, experimentam e propõem formalmente uma visualidade muito interessante. Já foi criada uma organização chamada Mutant Cinemas, que busca dar mais visibilidade a esse tipo de trabalho. Acho muitos filmes não hegemônicos produzidos nesses círculos muito valiosos. Por exemplo, o trabalho de Pablo Escoto e Manuela de Laborde é inspirador. Por outro lado, acho difícil deslocar essas obras para fora dos festivais, já que no México não há muitos espaços ou suporte para outras vozes, a prioridade é sempre para filmes das grandes produções ou dos nomes usuais. Embora existam alguns espaços de programação mais proposital onde tenho visto trabalhos muito impressionantes, acho que não é o suficiente. No caso de "Mudando de Sonhos" tem sido muito difícil encontrar espaço para isso, porque não há muitas oportunidades para os filmes de média metragem e menos ainda se forem experimentais. Por isso considero que eventos como o Festival ECRÃ são muito valiosos, tanto pela sua existência como pelos seus programas que vão mais longe, visto que constituem uma grande oportunidade para lançar projectos deste tipo e fazer networking com mais pessoas interessadas.


66 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo