Três perguntas para Frances Arpaia

Diretora estreia mundialmente seu filme "52 Filmes Curtos" no Festival ECRÃ.


Frances Arpaia é uma mulher trans queer que mora no Brooklyn. Tem mestrado em pelo Brooklyn College e ocasionalmente trabalha como pesquisadora. Na maior parte do tempo, ela está ocupada fazendo seus próprios filmes que exploram desde a vida queer no Brooklyn e as lutas da comunidade até trabalhos experimentais de longa duração. Batemos um papo com ela sobre seu filme "52 Filmes Curtos".



1) Seu filme começa antes e termina durante a pandemia. Como isso foi feito? Afeta sua leitura do filme?


Em junho de 2019 tive a ideia de criar uma "linha do tempo aberta para experimentação", uma espécie de caderno de esboços cinematográficos digitais, onde eu poderia brincar com diferentes ideias e técnicas. Estabeleci o objetivo de fazer um filme por semana e, apesar de algumas tolices clássicas de apartamentos de NY no final de 2019 que resultaram em ter que me mudar abruptamente, consegui me manter no caminho certo. Não esperava que uma pandemia global fosse o que descarrilou meus ambiciosos planos. As coisas em NYC foram bastante assustadoras nos primeiros meses e eu só fiz um par de filmes. Retomei o projeto no final do ano em junho de 2020, e o fiz 99% até outubro, depois dei os retoques finais no início de 2021. Finalmente, este se tornou um projeto muito mais pessoal do que eu pensava que seria, um projeto que captou uma mudança entre duas experiências polares da vida na cidade de Nova York, e um filme que eu precisava terminar para meu próprio bem-estar.


2) Há diferentes tipos de experimentos visuais em 52 Filmes Curtos.

Como foi o processo de edição do filme para que houvesse uma sensação de unidade?


Como este projeto foi concebido como um caderno de esboços, tentei deixar as ideias para cada filme se encaixarem em uma e outra, e as diferentes maneiras de abordar o que quer que eu filmasse naquela semana refletem isso. Haveria sempre este elemento do não sequenciador do filme completo (um amigo amorosamente se referiu a 52 Filmes Curtos como "Cinema para a era do conteúdo"), mas isso não significava que eu ainda pudesse jogar entre diferentes associações em som e imagem para guiar o público junto com o meu processo de pensamento disperso. Meu amor pelas ferramentas de criação de imagens lo-fi também ajuda, já que as imagens pixelizadas e desfocadas emprestam uma estética coesa, que eu interrompo deliberadamente apenas algumas poucas vezes.



Frances Arpaia, diretora de "52 Filmes Curtos".


3) Você é mais conhecida por seu trabalho videoartista. Você acha que há necessariamente uma fronteira entre cinema e vídeoarte e que

não há nenhuma chance de diálogo entre eles?


Penso que numa época em que a maioria das interações das pessoas com imagens em movimento acontece online, seja através de filmes em plataformas de streaming, YouTube, tiktok, Instagram, gifs, videgames, etc... a distinção entre cinema e vídeo arte tem se tornado um pouco mais confusa. A linguagem e as técnicas do "cinema" fazem parte de todos esses meios e todos que os utilizam para se expressar estão em algum nível pensando em imagens em movimento como arte. O cinema, porém, como um lugar aonde você vai, e a arte em vídeo como algo que você experimenta em uma galeria são diferentes, pois um está ligado às expectativas de duração e o outro está livre disso. Tanto o cinema quanto uma galeria oferecem uma sensação de imersão que é difícil de alcançar on-line em meio à miríade de distrações que é um fluxo de dados pessoais. Eu tendo a fazer filmes que são um pouco mais exigentes do que a maioria das pessoas estão acostumadas a fazer on-line, particularmente quando há muitas outras coisas que exigem a nossa atenção, de modo que a imersão é sempre apreciada. Ainda assim, a maioria das pessoas assiste meus filmes online, o que é resultado de uma acessibilidade que é a troca pela falta de imersão. Todas estas coisas mudam o contexto de como as pessoas experimentam imagens em movimento, e as formas como se relacionam com elas, tornando essa distinção entre cinema e vídeo arte ainda mais desafiadora.


Assista a "52 Filmes Curtos" no 5o Festival ECRÃ entre os dias 15 e 25 de julho, online.